Como chegar, onde ficar e o que fazer em Oaxaca

O estado de Oaxaca é reconhecido por ter uma das melhores opções gastronômicas em todo o México. É só contar para algum mexicano que você irá passar por lá que ele começará a listar todas as coisas que você PRE-CI-SA comer – o que me fez pensar que talvez a cidade tenha uma boa parcela de culpa nos 3 kg que ganhei durante essa viagem.

Como chegar a Oaxaca

Partindo da Cidade do México, é possível ir até Oaxaca de ônibus ou optar por fazer o trajeto de avião. Caso vá por terra, os melhores valores ficam por conta da empresa AU, que normalmente opera o trajeto por 232 pesos mexicanos em uma viagem de cerca de 7 horas. Na ADO, o mesmo trajeto sai por 280 pesos, mas os ônibus costumam oferecer mais conforto e a viagem demora cerca de 6 horas. A OCC faz o mesmo trecho por 411 pesos.

Se preferir voar até lá, as melhores empresas para fazer o trajeto são Volaris (voos terças, quartas e sábados), por uma média de 700 pesos (R$ ) e a Interjet opera voos diários com preços a partir de 700 pesos, mas geralmente superiores aos da Volaris (embora seja possível encontrar valores similares em alguns dias).

IMG_2974 (2)

Onde se hospedar

Fique o mais próximo possível do Centro da cidade. Nós optamos pelo Parador San Fernando e o lugar é ótimo. Os quartos são simples, mas super espaçosos e o atendimento é, sem dúvida, o melhor que alguém poderia esperar. Para se ter uma ideia, chegamos cerca de três horas antes do check in e o hotel estava praticamente lotado. Como nossos quartos estavam ocupados ainda, nos ofereceram um outro quarto para que pudéssemos descansar durante a espera e ainda ganhamos um café da manhã grátis nessa primeira manhã. 🙂

O Fernando, dono do hotel (ou gerente?), é muito gente boa e nos ofereceu todas as dicas possíveis e imagináveis para conhecer melhor a cidade. Se você não estiver em busca de nada muito luxuoso, mas quiser aproveitar Oaxaca em uma ótima localização (cerca de três quadras do Centro) e com toda a atenção possível, vale a pena se hospedar aqui.

∴ Pesquise outros hotéis na cidade com o Booking ∴

IMG_2973 (2)

O que fazer em Oaxaca

Mercado 20 de Noviembre: é hora de comer! Por aqui é onde você encontra um pouco da culinária típica de Oaxaca, com seus 7 moles. Uma das áreas do mercado também é dedicada às carnes e você sentirá uma cortina de fumaça assim que passar por ali. Apesar de um pouco desconfortável para os padrões brazucas, essa é a parte que mais lota no mercado, já que todos querem provar as carnes oaxaqueñas. Mesmo assim, há diversas outras opções localizada nas outras partes do mercado. As dicas incluem chapulines (gafanhotos) e tlayudas, que são uma espécie de tortilla gigante típica da região – e, diga-se de passagem, deliciosas.

Mercado Benito Juárez: o local perfeito para comprar artesanato no México, além de comidinhas para levar para casa. Tem caveirinhas multicoloridas (as menores saem por cerca de 25 pesos), alebrijes (os menores saem por cerca de 40 pesos), sal de gusano, mezcal, copinhos para bebidas e muito artesanato de barro. Deixamos para comprar a maior parte dos presentinhos quando voltamos a Cidade do México e nos arrependemos pois, apesar de ter preços similares, o artesanato de Oaxaca é bem mais bonito. <3

IMG_3073[1]

Museo de Las Culturas de Oaxaca: um ótimo espaço para conhecer mais sobre as culturas pré-hispânicas do estado de Oaxaca. O museu fica localizado no antigo convento de Santo Domingo e, além de ter uma vista maravilhosa para o jardim etnobotânico da cidade, ainda oferece a oportunidade de aprender muito sobre a história do país e de seus povos originários. A entrada para a exposição sai por 65 pesos.

IMG_2986

Maco: um museu de arte contemporânea pequeno, mas que merece ser visitado. Pagamos apenas 20 pesos para entrar na exposição, que pode ser vista em pouco mais de uma hora, e saímos felizes de ter conhecido mais da arte local. A surpresa foi bastante positiva, pois demos a sorte de ver uma mostra do artista espanhol Eugenio Ampudia, que ainda não conhecíamos, mas adoramos. A gente não sabe se a curadoria é sempre assim, mas dá para saber mais sobre o trabalho do cara aqui.

Monte Albán: zona arqueológica localizada pertinho da cidade de Oaxaca e talvez uma das mais interessantes de todo o México. A entrada custa 65 pesos – e logo rola um post mais completinho sobre como ir até lá! 😉

IMG_3021[1]

Tomás Inn – Não sei se já falamos antes, mas o conceito de restaurantes botaneros, no México, é uma das coisas mais gostosas do país. Geralmente, são lugares bem populares, em que você só paga o que bebe e a comida vai surgindo mágica e gratuitamente na mesa. Por ter tradição gastronômica, achamos que Oaxaca era um bom lugar para explorar essas delícias e descobrimos um botanero super ajeitadinho e muito divertido, o Tomás Inn, que fica pertinho do Templo de Santo Domingo, na rua Vicente Guerrero 605. Gastamos cerca de 400 pesos entre duas pessoas e saímos bem alegrinhos e super satisfeitos. <3

Nota: os valores apresentados e a conversão mostrada são referentes aos meses de janeiro e fevereiro de 2016 e podem sofrer alterações a qualquer momento. Os valores das passagens foram simulados para uma viagem realizada em 20 de abril e comprada com cerca de um mês de antecedência. 


Planeje sua viagem

Os links abaixo pertencem a parceiros comerciais do blog e foram inseridos espontaneamente pela autora. Ao reservar serviços através destes links, você ajuda o Quase Nômade a se manter em funcionamento, recebe nossa gratidão eterna e não paga nada a mais por isso! ♥

✈️ Voe com a Latam

🏨 Reserve seu hotel com o Booking

🚗 Alugue um carro com a Rentcars

💉 Faça o seguro viagem com a Seguros Promo ⇒ use o código NOMADE5 e ganhe 5% de desconto


⇒ Como visitar a zona arqueológica de Monte Albán, em Oaxaca

⇒ Roteiro completo de viagem pelo México com estimativa de gastos

⇒ Seguro viagem internacional: é seguro viajar sem um?

⇒ Puerto Escondido, o paraíso do surf no México

⇒ Atrações grátis (ou quase!) na Cidade do México

Depois de me formar em comunicação, passei um tempo morando na Argentina, Irlanda e na Romênia. Foi morando cada vez menos que esqueci o significado da palavra e hoje mantenho a capital gaúcha como sede dessa vida quase nômade.

Comenta aí, vai! :D