Fizemos uma seleção com alguns dos melhores e mais diferentes bares em Belo Horizonte

Daí a pessoa vai para a capital mundial dos bares (tá, exageraram um pouco aqui, né?) e não sabe onde tomar a nossa velha conhecida cachacinha… Tem problema não, uai! Nós fizemos uma seleção com os melhores bares em Belo Horizonte. Abaixo nós mostramos algumas dicas inspiradas no nosso último passeio pela queridíssima e cachaceira Beagá.

Bom, se Belo Horizonte é reconhecida por ter cerca de 12 mil bares, botecos e restaurantes, ela é também a cidade com o maior número de estabelecimentos do gênero per capita no Brasil. O dado por si só já é motivo para fazer com que até os abstêmios encham o cu a pança de cachaça. E como a gente nem precisaria de motivo para virar alguns copos, garrafas e outros recipientes, fomos conhecer algumas das zonas boêmias da cidade.

Melhores bares em Belo Horizonte

Bebendo no Maletta

É incrível que eu só tenha conhecido o Maletta na minha terceira visita à capital mineira. Sim, o lugar é o M-Á-X-I-M-O para quem curte uma pegada alternativa de leve. Explico: Maletta é tipo uma galeria de bares, um edifício inteiro onde os dois primeiros andares são repletos de bares, botequinhos e restaurantes. Tem desde lugares que fizeram parte da resistência à ditadura na cidade, como a Cantina do Lucas, até o boteco podrão.

O primeiro piso tem aquele clima centrão que eu, particularmente, amo. Para chegar no segundo andar é preciso subir uma escada rolante que não funciona (não sei se é sempre assim, mas parece ser) e daí você chega no verdadeiro paraíso etílico-gastronômico. São muitos, muitos, muitos botequinhos, um ao lado do outro. Todos com preços bem honestos (dá para comer bem por menos de R$ 30) e um clima gostoso. Sabe aquele lugar que você vai do jeito que quer e ninguém fica te olhando como se você fosse diferentão? Pois é!

Passamos duas noites nos bares do Maletta. Na primeira, o escolhido foi o Arcangelo, que fica no segundo piso, de frente pro prédio-coisa-mais-linda que parece uma igreja, mas não é. Comidinhas gostosas, bebidinhas idem e uma conta honesta de uns R$ 50/R$ 60 por pessoa. A segunda noite foi no Objetoria, um lugar que, como o nome sugere, é cheio de quinquilhariazinhas fofas. Também adoramos! Depois de um hambúrguer e três ou quatro cachaças mineiras, a conta saiu por R$ 60! <3

A única contra-indicação a respeito do Maletta é para quem acha que bar tem que ser limpinho, ajeitado e cheio de fru-fru. Se for o seu caso, foge daqui agora!

Melhores bares em Belo Horizonte

Os bares da Savassi

Qualquer site ou blog de turismo adora indicar a Savassi como o lugar perfeito e único para quem quer beber em Belo Horizonte. E tudo certo, né? Porque é pertinho do centro, tem vários botequinhos legais de diferentes estilos e acaba sendo super próximo pra quem se hospeda numa região central. Eu curto bastante a Savassi, tanto é que fiz questão de ficar ali pertinho (no Hotel Boulevard Park) na segunda vez que visitei a cidade.

Nas quintas-feiras tem feirinha no bairro, com muitas opções de comida de rua. Quando o movimento termina, é a Baiana do Acarajé que começa a lotar, sendo também uma boa opção para quem pretende comer uma comida inspirada nas tradições nordestinas – o preço é mais alto do que em outras regiões da cidade, mas continua cabendo no bolso de qualquer um.

Aqui os bares têm aquele estilo de boteco mineiro sem muita frescura, mas sem muita pé-sujice também. Acaba sendo um lugar mais democrático, onde dá para encontrar praticamente todo tipo de pessoas, dos mais chatinhos aos mais relaxados. E, é claro, uma boa quantidade de turistas.

Bares na Savassi - BH

E a Fleming

Em nossa última viagem a Belo Horizonte, fomos a um congresso no Campus da UFMG, que fica em Pampulha. E, como o objetivo era frequentar o congresso, acabamos ficando o mais perto possível da universidade, no Ibis Styles Pampulha. Apesar do hotel ser ótimo, ele ficava simplesmente longe de tudo. O lado bom foi que acabamos descobrindo uma nova área de bares em Belo Horizonte, que provavelmente não teríamos encontrado de outra forma, a Avenida Fleming, no bairro Ouro Preto.

Um dos meninos do hotel foi quem nos indicou a região, por ser a concentração de bares mais próxima dali (uns 10 minutos de carro). Na avenida há muitas opções de todos os tipos: vimos alguns bares mais estilo restaurante arrumadinho e outros bem botecão mesmo. Como era uma segunda-feira, o botecão (onde ficamos, obviamente) era o mais lotado. O nome era Bar&Boi e o lugar era bem simples, mas com boa comida e preços legais. Ou seja, nada de NOOOOSSA, mas uma opção interessante para segunda-feira… Comemos uma porção de peixinhos e outra de bolinho de bacalhau entre três pessoas e ficamos bem satisfeitos com o pedido.

Melhores bares em BH

Fora estes, há também muitas opções de bares nos bairros Lourdes, Santa Tereza, entre outros… No fim das contas, essa é a opinião de uma gaúcha turista em Belo Horizonte, né? Se quiser mais dicas, esse post do 360 Meridianos é, na minha opinião, um dos mais completinhos que você vai encontrar sobre o assunto! 😉

Nota: os valores apresentados são referentes ao mês de abril de 2016 e podem sofrer alterações a qualquer momento. 

Planeje sua viagem para Belo Horizonte

Os links abaixo pertencem a parceiros comerciais do blog e foram inseridos espontaneamente pela autora. Ao reservar serviços através destes links, você ajuda o Quase Nômade a se manter em funcionamento, recebe nossa gratidão eterna e não paga nada a mais por isso! ♥

✈️ Viaje com a Azul ou voe com a Latam

🏨 Reserve seu hotel com o Booking

🚗 Alugue um carro com a Rentcars

💉 Faça o seguro viagem com a Seguros Promo ⇒ use o código NOMADE5 e ganhe 5% de desconto


Como ir do Aeroporto de Confins para Belo Horizonte

Roteiro de uma semana em Belo Horizonte

5 maneiras de encontrar hospedagem grátis em sua próxima viagem

Como encontrar passagens aéreas baratas

Como viajar nos fez aprender a confiar mais nas pessoas

Depois de me formar em comunicação, passei um tempo morando na Argentina, Irlanda e na Romênia. Foi morando cada vez menos que esqueci o significado da palavra e hoje mantenho a capital gaúcha como sede dessa vida quase nômade.

Queremos ouvir seu comentário!