Onde comer em Montevideo: nossos bares e restaurantes preferidos

Quem nos acompanha no Instagram já deve ter visto que nós passamos o Ano Novo em Montevideo. Essa não é a primeira vez que vamos à cidade, mas ainda não tínhamos feito nenhum post com dicas específicas sobre ela. E, como uma boa taurina, a inauguração das postagens sobre lá é com as nossas dicas de onde comer em Montevideo. #gordinhafeelings

É claro que todo mundo tem seus preferidos e as nossas dicas não são nenhum guia definitivo, mas apenas uma indicação dos lugares que mais gostamos por lá. Tem clichês, como o Mercado del Puerto ou o La Pasiva, mas também tem uma descoberta deliciosa (e muito barata) que fizemos desta vez na cidade.

Mas afinal… Onde comer em Montevideo?

Mercado del Puerto

Quem ama carne também ama o Mercado do Porto, ou Mercado del Puerto, na grafia em espanhol. Eu, sinceramente, passo muito bem sem uma parrillada, mas o Diego surta se a gente não faz uma refeição por lá. Afinal, localizado no finzinho da Cidade Velha, o Mercado é um ícone para quem visita a cidade e também um passeio gostoso de ser feito. Em cada restaurante, uma parrilla com todos os tipos de carnes, além de batata doce, pimentão e muito provolone. Os preços, entretanto, não costumam ser muito baratos e vão depender do local escolhido para fazer a refeição.

Os vegetarianos (ou os econômicos mesmo) também podem optar por uma das Empanadas Carolina. Geralmente com tamanho bem avantajado e em muitos e muitos sabores, elas saem por apenas 49 pesos uruguaios cada (cerca de R$ 6).

Mercado Agrícola de Montevideo

Outro mercado na cidade, o MAM, ou Mercado Agrícola de Montevideo, ainda não foi muito descoberto pelos turistas. Fomos lá pela primeira vez em 2014 e adoramos. Ele foi aberto ao público em 1913, mas passou por uma reforma recentemente e, graças a isso, figura entre uma das construções históricas mais bem conservadas de Montevideo.

Hoje, o MAM é um mercado público em que é possível comprar utensílios domésticos e lembrancinhas, bem como comida direto dos produtores em açougues, fruteiras e lojinhas de produtos naturais espalhados pela construção. Além disso, uma praça de alimentação conta com diversas opções de comida que vão do pancho às massas artesanais. Há também um bar que vende cervejas artesanais fabricadas localmente.

Burlesque

Um barzinho super charmoso e sempre cheio na zona de Pocitos nos chamou a atenção no primeiro dia de viagem. Era o Burlesque. Primeiro, passamos ali apenas para um café (que, diga-se de passagem, não é a especialidade da casa). Em nossa última noite em Montevideo, decidimos parar para uma janta e umas cervejinhas por lá e foi uma ótima escolha.

O menu é bem extenso e há diversas opções de comidas, que incluem sanduíches, hambúrgueres, comida mexicana e também pratos um pouco mais elaborados, como noodles tailandeses com camarões, por exemplo. Em média, os pratos individuais custavam cerca de 300 a 450 pesos uruguaios (R$ 35 a R$ 53), enquanto a cerveja artesanal da casa ficava por 160 pesos a pint (cerca de R$ 19). Embora não seja dos lugares mais baratos, a comida estava uma delícia e o ambiente é bastante agradável. O legal é que, diferentemente de muitos bares na cidade que rejeitam cartões de crédito Mastercard, eles aceitam tanto Visa quanto Master! 😀

Mimoso

O Mimoso foi a nossa maior descoberta da viagem. ♥ Estávamos há horas procurando um lugar para almoçar no dia 31 de dezembro quando encontramos o lugar aberto. Sentamos meio que sem muita expectativa e pedimos um dos pratos do menu promocional de almoço (que é servido até as 16h!). Eu optei por um prato de sorrentinos ao molho vermelho, que saía por 210 pesos (R$ 25), enquanto o Diego escolheu um entrecot acompanhado de salada por 230 pesos (R$ 27).

Além de ser bem grandinho, o prato estava uma delícia! Não sei se demos sorte, mas foi sem dúvida o melhor sorrentino que já comi – e ainda por cima com um preço mega barato para a cidade! Ah, o atendimento também foi nota MIL (o que é meio comum no Uruguai, mas sempre vale a pena comentar, rsrsrs).

onde comer em Montevideo

La Pasiva

Por mais clichê que seja, o La Pasiva é uma ótima dica para quem vai comer em Montevideo. Quem está visitando pela primeira vez, não pode deixar de provar os famosos panchos da rede, que tem sedes espalhadas por toda a cidade. Os mais baratos saem por apenas 46 pesos (cerca de R$ 5,50) e são feitos com a mostarda especial da casa. Como os panchos são pequeninhos, vale experimentar mais de um sem culpa.

Se preferir comer outra coisa, o cardápio é bastante extenso e inclui ainda massas, carnes, hambúrgueres, pizzas, saladas, doces, e tudo que você conseguir imaginar. Um clássico da gastronomia uruguaia. 😀

Dicas importantes:

  • Nem todos os bares e restaurantes uruguaios aceitam cartão. Muitos dos que aceitam, permitem pagamentos apenas usando Visa (não entendi o porquê até agora). Pelas dúvidas, ande sempre com um pouco de dinheiro no bolso.
  • Apesar disso, pagar no cartão no Uruguai, diferente de outros lugares do mundo, é vantajoso para os viajantes. Um desconto de 18,5% referente ao IVA sobre a conta do restaurante é aplicado imediatamente no pagamento realizado com cartão internacional – o que compensa bastante os 6,38% que pagamos de IOF sobre transações em moeda estrangeira. 😉 A regra vale até o dia 21 de abril de 2017.

Planeje sua viagem para Montevideo

Veja todos os nossos posts sobre Montevideo

Reserve seu hotel com o Booking

Alugue um carro com a Rentcars

Compre seu seguro saúde com a Mondial ⇒ usando o código 2017AFL você ganha 15% de desconto

Este post contém links para parceiros comerciais do blog, que foram inseridos espontaneamente pela autora. Ao reservar serviços através destes links, nós ganhamos uma pequena porcentagem – e você não paga nada a mais por isso! 😉

Nota: os valores apresentados e a taxa de câmbio são referentes ao mês de janeiro de 2017 e podem sofrer alterações a qualquer momento.

Depois de me formar em comunicação, passei um tempo morando na Argentina, Irlanda e na Romênia. Foi morando cada vez menos que esqueci o significado da palavra e hoje mantenho a capital gaúcha como sede dessa vida quase nômade.

Comenta aí, vai! :D