As pirâmides de Cholula e o que fazer nos arredores da cidade

Por que você deveria conhecer Cholula? Simplesmente porque lá você encontra a Grande Pirâmide de Cholula, sendo a pirâmide com maior base do mundo, com 400 metros de lado, e também a maior em volume, com 4,5 milhões de metros cúbicos. Dito isso, fica fácil imaginar que a primeira parada por lá deveria ser conhecer as Pirâmides de Cholula – que não são exatamente pirâmides, mas já foram…

Hoje, o local é uma zona arqueológica em que se escavaram os resquícios de pirâmides de uma antiga civilização mesoamericana. Algumas construções datam do século I, embora a zona tenha indícios de ocupação desde o século XII a.C, para se ter uma ideia.

Pirâmides de Cholula - Puebla - México

∴ Reserve hotéis em Cholula com o Booking ∴

Como chegar a Cholula

O Pueblo Mágico de Cholula fica a apenas 9 km de Puebla – dá para ir de ônibus convencional, que custa apenas 6 pesos (ou R$ 1,50). Saindo da maioria dos lugares da cidade, será preciso pegar dois ônibus normais, mas mesmo assim o passeio sai super em conta.

Também é possível fazer um tour às pirâmides de Cholula com saída da Cidade do México, já que as duas cidades são relativamente próximas. Outra alternativa é alugar um carro saindo de Puebla (30 minutos de distância) ou da Cidade do México (2 horas de viagem) e ir dirigindo até a cidade. Nesse caso, não se esqueça de que o trânsito mexicano é bem louco e engarrafamentos são frequentes em diversas cidades. 🚗

Como conhecer as Pirâmides de Cholula

Em primeiro lugar, é possível caminhar na parte externa à área arqueológica, o que é grátis. \o/

Bem em cima da área foi construída uma igreja, antes mesmo que se soubesse que havia pirâmides ali – elas estavam cobertas por terra e grama, graças ao passar do tempo. É interessante visitar o local, que exige uma subida de escada um pouquinho cansativa. [sedentarismo detected]

Igreja de Cholula - Puebla - México

De fora, também dá para ver as escavações por cima, o que por si só já é um baita passeio. Pelo que vimos, era possível contratar um guia para esse trajeto por 55 pesos mexicanos por pessoa (cerca de R$ 14), o que é uma pechincha. Mesmo assim, bancamos os mãos de vaca e preferimos fazer o passeio por conta própria. 😛

Na parte externa à zona arqueológica, se encontram ambulantes vendendo todos os tipos de petiscos por um valor de 10 pesos o punhado (cerca de R$ 2,50). Diego aproveitou para provar uma especiaria local: chapulines (sim, é daí que vem o nome do Chapolim Colorado). O chapulim é um gafanhoto que se come como petisco por aqui. Apesar de ser bem estranho, os outros petiscos eram mais normais, como amendoins, balas de goma e salgadinhos, o que ajuda a enganar a fome durante o trajeto.

Chapulines em Cholula - Puebla - México

Depois da inusitada experiência gastronômica, fomos visitar a zona arqueológica em si. Para entrar nela, é preciso pagar um ingresso de 52 pesos mexicanos (R$ 13). Para contratar um guia, é cobrado um adicional de 200 pesos mexicanos por grupo (cerca de R$ 50).

Se você tiver claustrofobia ou outro medo de lugares fechados, pode não ser o lugar ideal para estar… Tivemos que caminhar uns 15 minutos por um túnel fechado e bem estreito até chegar à entrada. Eu morro de medo de lugares assim, mas superei para ver as pirâmides de Cholula – e , apesar de quase ter um ataque cardíaco no caminho, confesso que faria tudo de novo.

Pirâmides de Cholula - Puebla - México

Vista das Pirâmides de Cholula - Puebla - México

Minha dica preciosa para quem vai às pirâmides é passar muito protetor solar (do fator mais alto que tiver) e levar uma garrafinha de água. Faz muito calor por lá mesmo no inverno.

Saindo da zona arqueológica

Depois de terminar o passeio pelas pirâmides, fizemos uma visita à feira que há em frente a elas para conferir um pouco do artesanato local. Foi a hora de experimentar outra “delícia” inusitada: a jicaleta. Se trata de uma fruta chamada jicama (eu achei o gosto parecido com o do melão, mas menos doce), envolta em tajín (pimenta) e que se come no palito como se fosse um pirulito. Por mais que a descrição seja horrível, o gosto até que é bonzinho. Mesmo assim, achei meio picante demais para um doce e acabei nem terminando o meu.

Jicaleta em Cholula - Puebla - México

Voladores de Papantla

Para terminar o passeio, aproveitamos para ver o espetáculo dos “voladores de Papantla“. O ritual é originário do estado de Veracruz, na cidade de Papantla e o site México Desconocido explica que a tradição é originária dos povos pré-hispânicos, embora não exista uma estimativa da data em que o ritual surgiu.

O que se sabe é a lenda que dá origem a ele: uma forte seca havia acometido a zona que compreende o território que hoje dá lugar aos estados de Veracruz e Puebla. Na época, os sábios do povo pediram que jovens castos encontrassem a árvore mais alta e reta do monte para utilizá-la em um ritual com música e dança, pedindo aos deuses por chuvas. O ritual foi realizado na parte superior do tronco para que as orações fossem facilmente escutadas pelos deuses. Ao que parece, a ideia deu tão certo que o ritual continua sendo realizado até os dias de hoje em diversas cidades mexicanas – e, entre elas, Cholula.

Atualmente, os voladores se apresentam todos os dias na praça em frente às pirâmides, a cada 20 minutos, até as 18h. O espetáculo é poesia pura e vale muuuito a pena esperar até que a apresentação comece. Vem ver:

A apresentação pode ser vista por qualquer pessoa que esteja no local e é gratuita, mas a gente recomenda dar uma gorjeta para eles. Quando estávamos assistindo, uma menina do grupo passou o chapéu em busca de contribuições – que são mais do que merecidas.

Noite em Cholula

O fim do dia foi na Licorería San Pedrito, perto da zona arqueológica, onde é possível provar uma grande variedade de opções de Mezcal, bebida típica do México. O lugar é super lindinho e rola uma boa agitação por lá – no dia em que fomos, o espaço começou a encher por volta das 21h.

Mesmo assim, existe um zilhão de opções de bares por lá, então é possível encontrar praticamente todo o tipo de opção. Como Cholula é uma cidade universitária e acaba sendo o destino de muitos poblanos à noite, vale estender o passeio na cidade e pegar um táxi na volta – o que pegamos custou 150 pesos  (cerca de R$ 40) até nossa casa em Puebla – ou passar a noite em um hotel em Cholula.

∴ Veja aqui todos os posts de nossa viagem ao México ∴

Bar em Cholula - Puebla - México

Este post contém links para parceiros comerciais do blog, que foram inseridos espontaneamente pela autora. Ao reservar serviços através destes links, nós ganhamos uma pequena porcentagem – e você não paga nada a mais por isso! 😉

Nota: os valores apresentados e a conversão mostrada são referentes ao mês de janeiro de 2016 e podem sofrer alterações a qualquer momento. 

Depois de me formar em comunicação, passei um tempo morando na Argentina, Irlanda e na Romênia. Foi morando cada vez menos que esqueci o significado da palavra e hoje mantenho a capital gaúcha como sede dessa vida quase nômade.

Comenta aí, vai! :D

2 comments

  1. Pingback: Viajando pelo México: o que fazer em Puebla? – Quase Nômade

  2. Pingback: Visitando Tulum: praia, ruínas e muita natureza – Quase Nômade