3 lugares diferentes para comer e beber em SP

Em fevereiro estivemos em São Paulo para realizar um curso de jornalismo de viagens na Faculdade Cásper Líbero. Para aproveitar o tempo livre na cidade, buscamos alguns lugares diferentes para comer e beber em SP. A ideia era fazer um guia mais extenso com dicas de espaços bacanas para conhecer na capital paulista – mas o tempo foi mais curto do que planejávamos. Sendo assim, selecionamos as melhores dicas de lugares que conhecemos nesses dias e escolhemos apenas três.

Boteco La Gorgona

Comida colombiana em plena São Paulo. Tem, sim! <3 É boa, barata e num ambiente bem gostoso. Quando chegamos no La Gorgona, um dos meninos que trabalha lá nos levou para escolher uma mesa e nos ajudou a escolher os pratos. Eu já havia provado arepas e patacones, mas aproveitei a oportunidade para experimentar também outras delícias colombianas, como croquetas de banana da terra, lapingados e, de sobremesa, natilla. Tudo com gosto de quem come mais do que deve, porque não dava para resistir. Recomendadíssimo.

La Gorgona - Lugares diferentes para comer e beber em SP

Comida colombiana em SP no La Gorgona: arepas e patacones.

Como era uma segunda-feira e já havia passado das 22h, o espaço estava razoavelmente vazio, mas dizem por aí que o La Gorgona lota bastante em outros dias da semana, então pode ser interessante ligar antes para fazer a reserva. A conta para duas pessoas com MUITA comida e algumas cervejas saiu em cerca de R$ 120.

Onde comer em São Paulo - La Gorgona

Natilla de sobremesa. 😀

Pátio Cultural

Tínhamos combinado de encontrar com amigos no Pátio Cultural, em Perdizes, pois era aniversário da Luísa, uma amigona que mora em SP e é responsável pelo Guia Fora da Casinha, site que reúne dicas para famílias com filhos curtirem São Paulo. Ninguém nos avisou que, no caminho, teríamos um teste de escalada. Mas vamos lá: para chegar ao espaço, é preciso tocar a campainha e esperar que abram. Depois, é só se aconchegar em um dos pallets ou mesas espalhados pelo pátio. A água é do filtro de barro (♥), para quem quiser se servir, e a cerveja é vendida por R$ 7 a R$ 8 a long neck.

Tem espaço pra criança, tem banheiro misto, tem muita liberdade para todo mundo que chega ali. Menos para a chuva. Como a função rola no pátio, não adianta querer ir lá em dia de temporal, porque a molhaceira pode estragar o programa.

Sobre o teste de escalada? Fomos até lá de metrô e, depois de descermos na estação Vila Mariana, o Google nos indicou o caminho pela tal da rua Paris. Só que, apesar do nome plano, a rua era uma montanha russa, com exercícios para abdômen e panturrilhas incluídos no trajeto. Não. Dava. Para. Crer.

Dica esperta: investe uns dinheiros a mais no Uber/Cabify para garantia de felicidade. Antes de ir, a dica é conferir a programação do espaço no Facebook.

Fatiado Discos

Outro lugar onde a Luísa nos levou. O espaço pode ser resumido como uma loja de discos que vende cervejas especiais & tem um hambúrguer delícia. Eles trabalham principalmente com produtores artesanais tanto para a cerveja quanto para as comidinhas que são vendidas no espaço. Quem chega por lá pode escolher qual disco ouvir e também em qual cadeira vai sentar no quintal, que tem jeito de casa de vó. Ah, e a decoração interna também é uma fofura – repara só no detalhe das bandeirinhas! 😉

Planeje sua viagem

Voe para São Paulo com a Latam

Reserve seu hotel com o Booking

Alugue um carro com a Rentcars

Compre seu seguro saúde com a Mondial ⇒ usando o código 2017AFL você ganha 15% de desconto

Os links acima pertencem a parceiros comerciais do blog e foram inseridos espontaneamente pela autora. Ao reservar serviços através destes links, nós ganhamos uma pequena porcentagem – e você não paga nada a mais por isso! 💸

Nota: os valores apresentados são referentes ao mês de fevereiro de 2017 e podem sofrer alterações a qualquer momento.

Depois de me formar em comunicação, passei um tempo morando na Argentina, Irlanda e na Romênia. Foi morando cada vez menos que esqueci o significado da palavra e hoje mantenho a capital gaúcha como sede dessa vida quase nômade.

Comenta aí, vai! :D