Praias do Uruguai: onde ficar em Valizas

De Porto Alegre até o as praias do Uruguai é um pulo. Dá para chegar lá de carro em cinco horas mais ou menos. O resultado disso é que eu simplesmente tenho ido demais para lá – o que deve ser percebido pela quantidade de posts sobre o destino aqui no blog!

A verdade é que programar uma viagem para o Uruguai é daquelas coisa tão simples que dá até preguiça de fazer. Por sinal, em breve eu compartilho com vocês um roteiro completo pelo país, ok?

Acontece que um dia estávamos jantando com alguns amigos aqui em casa, depois de muitas taças de vinho, copos de cerveja e todo o resto, quando alguém sugeriu uma viagem para o Uruguai. Logo definimos Valizas como destino, escolhemos uma data em que todos podiam e resolvemos acampar. Pronto: planejamento zero.

No começo, achei que era papo de bêbado. Mas, chegada a data, todo mundo ainda estava disposto a viajar – e lá fomos nós!

Logo no primeiro dia encaramos um calor da porra, mas seguimos firmes e fortes. Barracas montadas, liquinho para fazer comida e tínhamos até uma mesa desmontável emprestada para o acampamento perfeito. A única coisa que não tinha era sombra. 🙁

Ficamos dois dias assim, até que desistimos da função, demos uma de esquerda caviar, e fomos procurar um lugar mais fresco para dormir. Nesse momento, a minha perna já estava petit poà de tantas picadas de mosquito. Passamos em alguns lugares só para dar uma olhada antes de reservar, até que chegamos no Patalsuelo – e foi amor à primeira vista! ♥

Onde ficar em Valizas

Foto © ViviRocha

Onde ficar em Valizas: Patalsuelo

O lugar é composto por algumas cabanas de madeira, todas muito bem cuidadas. A maioria delas tem capacidade para quatro pessoas (com possibilidade de acomodar mais algumas), mas existem também cabanas para casal. Logo na chegada fomos recebidos pela Adriana, uma das proprietárias do Patalsuelo, que fala português super bem – ela morou no Brasil quando criança, então aprendeu a falar quase como uma nativa.

Hospedagem em Valizas, no Uruguai

Como tudo em Valizas é mais rústico, não tem ar condicionado nas casas, mas os quartos são equipados com ventiladores de teto e ficam bem fresquinhos. Todas as janelas têm telas anti-mosquitos (porque realmente tem muitos por lá!) e o banheiro é bem novo. Não sei vocês, mas quando eu vejo um banheiro de hotel/pousada/casa alugada bem caprichado, eu sei de cara que estou no lugar certo!

Cabanas Patalsuelo em Valizas, Uruguai

Para quem vai de carro, como nós, tem uma área para estacionar ao ar livre bem na frente das cabanas. Elas ficam na avenida principal de Valizas (Av. Aladino Veiga 226), próximas do supermercado, embora estejam um pouco distantes da praia (mais ou menos 600 metros). Uma área social externa com churrasqueiras, rede e mesinhas fica disponível para os hóspedes curtirem melhor o ambiente – e tem até lampiões à noite! Para não perder a comunicação, as cabanas também dispõem de internet grátis – fraca para trabalhar, mas suficiente para se manter em contato com os amigos e atualizar as redes sociais.

O preço de temporada para estadia nas cabanas grandes é de US$ 100 (cerca de R$ 310), porém eles costumam oferecer bons descontos para hospedagens realizadas fora da temporada (nosso caso). Os interessados podem fazer a reserva diretamente no site do Patalsuelo.


Planeje sua viagem

Os links abaixo pertencem a parceiros comerciais do blog e foram inseridos espontaneamente pela autora. Ao reservar serviços através destes links, você ajuda o Quase Nômade a se manter em funcionamento, recebe nossa gratidão eterna e não paga nada a mais por isso! ♥

✈️ Voe com a Latam

🏨 Reserve seu hotel com o Booking

🚗 Alugue um carro com a Rentcars

💉 Faça o seguro viagem com a Seguros Promo ⇒ use o código NOMADE5 e ganhe 5% de desconto


⇒ Uruguai: como chegar em Cabo Polonio e o que fazer por lá

⇒ Barra de Valizas no Uruguai é um paraíso parado no tempo – mas com wi-fi!

⇒ Que moeda levar para o Uruguai: reais, pesos uruguaios ou cartão de crédito?

⇒ Como tirar a Carta Verde para viajar de carro pelo Mercosul

⇒ Museu Casapueblo: uma homenagem ao pôr-do-sol em Punta Ballena

Depois de me formar em comunicação, passei um tempo morando na Argentina, Irlanda e na Romênia. Foi morando cada vez menos que esqueci o significado da palavra e hoje mantenho a capital gaúcha como sede dessa vida quase nômade.

Queremos ouvir seu comentário!