Vida de freela: é assim que a minha semana de trabalho funciona

Sempre que eu encontro com amigos que não vejo há tempos surge aquele momento em que me perguntam sobre o meu trabalho. Eu até tento evitar de vez em quando o papo sobre como é minha vida de freela para não ter que explicar muito e não posso provar, mas tenho convicção ® de que metade do mundo acha que sou sustentada por uma entidade não identificada. Acontece que essa entidade não identificada sou eu mesma!  :mrgreen:

Enquanto estava escrevendo esse post, vi que um amigo que é bem menos quase e bem mais nômade do que eu postou o seguinte no Instagram:

Me perguntaram dia desses: “Se você já viaja o ano inteiro sem estar de férias, quando tira férias você faz o que, fica em casa?”@errenascimento

Então, para quem também fica confuso com o funcionamento de uma vida de freela (ou “nômade digital”, se vocês preferirem), resolvi compartilhar o funcionamento de uma semana de trabalho na minha vida. Vai ser chato de ler? É possível, hein? hehehe. Mas pode ajudar quem está planejando encarar uma vida assim e ainda não consegue visualizar como funciona na prática essa falta de rotina.

É óbvio que o meu relato não serve para todo mundo, mas é uma amostra de como as coisas funcionam PARA MIM. Inclusive, se alguém quiser contribuir contando sobre a sua rotina nos comentários, vai ser lindo. ♥

Vamos lá, então…

Segunda-feira

Dia corrido. Acordei às 8h e trabalhei até umas 11h. Só parei porque tinha marcado personal trainer com meu irmão (e melhor personal, diga-se de passagem #jabá). Voltei pra casa por volta do meio dia, comi uma tapioca de almoço e voltei à labuta. Tava com todo o pique e não parei mais. Fiz uma pausa no meio da tarde para lavar louça, pagar contas na internet e mandar aqueles e-mails que a gente passa a vida adiando e voltei ao trabalho. Só parei por volta das 20h30.

Total de horas trabalhadas: 9:40

Terça-feira

Hoje meu contador ia passar aqui em casa para uma reunião. Acordei às 8h, terminei um dos posts pro blog e comecei a trabalhar em outro projeto. Escrevi um pouco e fiz uma pausa para limpar a casa, que estava uma bagunça. Devo ter ficado pouco mais de uma hora nessa função, limpando banheiros, dobrando roupas e passando pano na cozinha – confesso que é algo que eu raramente faço, mas às vezes não dá para escapar.

O contador chegou às 14h e a casa estava limpa. :mrgreen: Ficamos conversando uns 40 minutos, entreguei todos os documentos que ele precisava e acabou a reunião. Voltei para o computador, para agilizar um pouco as coisas que eu tinha que fazer.

Tinha combinado ir no cinema às 16h (na terça-feira o ingresso é reduzido, sacumé!), então parei o que estava fazendo e fui. No caminho vi que tinha recebido um pedido mega urgente por e-mail – e o filme tinha duração de 2h30. Avisei que ia demorar e fiquei encasquetada no cinema. Quando cheguei em casa fiz tudo correndo e só parei quando minha barriga começou a gritar de fome, lá pelas 21h. Fiz uma torta salgada para comer e voltei para o computador, porque ainda tinha coisas para terminar. 🙄

Total de horas trabalhadas: 6:15

vida de freela

Foto via / Foto destaque via

Quarta-feira

Acordei por volta das 9h e comecei a trabalhar cerca de meia hora depois. Continuo com sono e não consigo lembrar como fazia quando tinha que acordar às 6h. Tomei duas xícaras de café e trabalhei até a hora do almoço. Depois de comer, fiz uma pausa para levar algumas roupas na costureira e aproveitei para dar uma caminhada na volta para casa.

Na chegada, abri o computador e voltei ao trabalho. Sono. Sono. Sono.

No início da noite revisei dois textos que eu tinha que entregar e respondi um e-mail declinando um job que ia cair bem no meio da minha próxima viagem. Agora são 21h36 e meu único compromisso daqui pra frente é ver Netflix. 🙂

Total de horas trabalhadas: 6:30

Quinta-feira

Hoje desliguei o despertador quando ele tocou (às 8h), fazia dias que estava dormindo mal. Acordei às 10h bem disposta e animada. Comecei a trabalhar já eram 10h30 e só parei para fazer almoço (um risoto com quase tudo que tinha na geladeira, rsrsrs).

Comi e já voltei pra frente do computador. Tô com uma matéria enorme empacada que não vai ficar pronta hoje, porque não consigo mais nem olhar pro conteúdo. Não saí de casa o dia inteiro. Fui ver o debate para as eleições municipais à noite e acabei apagando no sofá.

Total de horas trabalhadas: 07:20

Sexta-feira

Tinha colocado o despertador para as 9h, mas acordei antes disso. Comecei a trabalhar logo depois de levantar e tive que parar por volta das 16h porque tinha marcado médico. À noite tinha me programado para ir ao cinema e acabei saindo para tomar uma cerveja com uma amiga depois do filme… Resultado: fui dormir às 4 da manhã sem ter feito metade do que tinha para terminar.

Total de horas trabalhadas: 5:35

Sábado

Sim, sábado aqui em casa é dia útil! Acordei ao meio-dia, fui lavar louça e comecei a trabalhar. Sempre deixo coisas para terminar no finde e prometo para mim mesma que não vai acontecer de novo – mas eu sei que semana que vem vai ser a mesma coisa… 🙂

Total de horas trabalhadas: 1:30

Domingo = Folga \o/

Domingo no parque :D

Domingo no parque 😀

É claro que essa rotina muda um pouco quando estou viajando. Nesse caso, geralmente trabalho mais horas antes de embarcar (caso dessa semana aqui, em que eu estava terminando os preparativos para nossa trip pela Europa) e aproveito para diminuir um pouco o ritmo durante a viagem, porque ninguém é de ferro, né?

Você também leva uma vida de freela? Conta pra gente como funciona isso na sua casa, quem sabe a gente mostra para o mundo que é possível trabalhar e ser feliz ao mesmo tempo? 🙂


⇒ Turismo sustentável: 13 atitudes que você pode tomar em qualquer viagem

⇒ Como viajar nos fez aprender a confiar mais nas pessoas

⇒ 5 maneiras de encontrar hospedagem grátis em sua próxima viagem

⇒ Como usar o TransferWise para transferir dinheiro para o exterior

⇒ Como encontrar passagens aéreas baratas

Apaixonada por contar histórias, trabalha com conteúdo desde 2010. Depois de passar quase três anos morando no exterior, percebeu que poderia carimbar o passaporte mais vezes caso trabalhasse remotamente. Hoje vive em Porto Alegre, onde nasceu, e não precisa mais pedir folga para viajar. Também escreve para os sites Hypeness e Quanto Custa Viajar.

Deixe seu comentário <3

*