Como é a visita à Guinness Storehouse, a fábrica da cerveja Guinness em Dublin

Nós moramos quase um ano em Dublin, na Irlanda, e tínhamos três coisas pendentes para fazer na cidade: uma delas era ver os veados no Phoenix Park (✔️), a outra era fazer uma visita à Guinness Storehouse (✔️), a fábrica da cerveja stout mais famosa do mundo, a Guinness. A terceira delas ainda ficamos devendo: aprender a falar inglês direito (❌).

Como já deu para perceber no título desse post, não é aqui que vamos falar sobre como ver os veadinhos do Phoenix (by the way, eles são lindos e a gente conta mais sobre isso em outro post). 🦌

Voltando a 2013, quando morávamos por lá, a Guinness tinha lançado uma promoção de Guinness Ambassadors e distribuiu diversos cartões que garantiam a entrada gratuita na fábrica + 10% de desconto para um acompanhante. E, por acaso, eu tinha o cartão guardado até hoje numa caixinhas com “coisas que podem servir para minhas viagens“. Resultado: chegando lá, eu e Diego pagamos apenas uma entrada e ainda por cima com 10% de desconto! 😀 #criançafeliz

Em compensação, se você não conhece nenhum Guinness Ambassador, o melhor mesmo é comprar o ingresso antecipadamente, pois assim é possível obter até 30% de desconto. A entrada geral (sem desconto nenhum) é de € 20 (R$ 71), mas geralmente é possível consegui-la por até € 14 (R$ 50) comprando online, sendo que os maiores descontos costumam ser para visitas pela manhã. Crianças até 10 anos não pagam entrada e entre 11 e 17 anos pagam apenas € 13,50 (R$ 48). O valor inclui uma pint de Guinness para maiores de 18 anos ou uma bebida não alcoólica para quem ainda não tem idade legal para beber.

Visita à Guinness Storehouse, Dublin

Como é a visita à Guinness Storehouse

Na chegada, os grupos de visitantes são recepcionados em um saguão amplo, com uma loja E-N-O-R-M-E de produtos da Guinness, e recebem instruções simples sobre a visita. A partir daí, é cada um por si!

Cada visitante vai percorrendo o edifício no seu próprio ritmo, já que a visita não é guiada. Mesmo assim, todas as áreas contam com diversas explicações escritas em inglês em cartazes na parede (não sabe falar inglês? ali embaixo nós te damos uma dica! 😉 ) para contextualizar a experiência. Em alguns casos, há também vídeos contando histórias que envolvem a cerveja – tudo em inglês também, mas com sotaque bem maneirado que é para todo mundo entender.

O primeiro andar é inteiramente dedicado aos ingredientes da cerveja, explicando um pouco sobre cada um deles: água, lúpulo, malte e levedura. É lá que descobrimos algumas informações curiosas, como o fato de que mais de 100 mil toneladas de malte irlandês são usadas anualmente na produção da cerveja e que a água da Guinness vem das montanhas de Wicklow.

guinness1

Os próximos pisos são mais dedicados à história da cerveja e também à sua produção, explicando o que a torna tão única. Nesse ponto, pudemos explorar mais do equipamento usado na produção da bebida, desde a maquinaria antiga até os barris em que ela passava pelo processo de maturação. Uma seção bem interessante, apesar de curtinha, também mostra a evolução do transporte da bebida para diversas regiões do mundo.

guinness2

guinness3

guinness4

guinness5

Degustando a Guinness

Uma Tasting Room (ou “Sala de Degustação”, em inglês), permite que os visitantes experimentem a Guinness de maneira semelhante à que é feita pelos degustadores oficiais da cerveja – e o cuidado com os detalhes é incrível. A sala é branca para evitar distrações, diferentes aromas que compõe a bebida exalam de quatro totens no meio da sala e o líquido é servido em copinhos pequenos, do tamanho de uma dose. Sentimos que esse seria o ponto alto do tour, mas não foi… 🙁

Como as visitas não são guiadas, é comum acumular muitas pessoas no mesmo horário e não existe muito controle nesse sentido. Isso significa que quando fomos fazer nossa degustação tinha tanta gente na mesma salinha que acabamos nos sentindo num ônibus lotado – e certamente não era essa a ideia que eles queriam passar, né?

Mesmo assim, foi uma experiência bem legal, mas poderia ter sido mais interessante se fôssemos lá em um momento com menos gente. Não temos como saber se é sempre assim, mas apostaríamos que sim! Para evitar a muvuca, eu experimentaria ir no primeiro horário da manhã, se fosse vocês. 😉

Além disso, um dos andares da mostra é dedicado à publicidade da cerveja e vira praticamente uma disneilândia dos adultos. Como sou formada em comunicação e curto bastante publicidade com pegada mais antigona, foi minha área preferida lá dentro! O andar dedicado à propaganda incluía desde cartazes promovendo a bebida até alguns bonecos gigantes criados pela empresa, além de uma sala de projeção enorme onde passavam alguns dos premiados comerciais televisivos da marca. Quem curte/estuda publicidade #temqueir.

guinness6

guinness8

guinness7

No fim-do-fim-do-tour, todo mundo vai para uma sala-bar aprender a tirar a sua própria pint de Guinness. Um dos funcionários do local explica direitinho como fazer e cada pessoa vai tirar a sua própria dose da bebida. Nessa hora, é bom ter cuidado, já que a cerveja tirada por você será bebida por você (ou seja, se fizer um desastre na hora de servir o problema vai ser todo seu)! Ao final, eles dão até um certificadinho comprovando que você “tirou a pint perfeita“, mesmo que ela não tenha saído tão perfeita assim… Finalizada essa etapa, é hora de tomar sua Guinness! 🍻

Como é a visita à Guinness Storehouse - Dublin, Irlanda

Tem também o Gravity Bar, no último andar do edifício, com vista panorâmica para Dublin. O probleminha é que todo mundo quer ficar perto das janelas para observar melhor a cidade. Com isso, fica difícil se mexer por ali. Pode ser que tenha sido má sorte nossa, mas imagino que seja sempre beeem cheio por lá, já que fomos na baixa temporada e no início da semana. De qualquer jeito, cheio ou não cheio, não dá para dizer que a vista de lá não é fantástica! 😍

Expectativa

Gravity Bar na Guinnness Storehouse. Foto: bjaglin CC BY 2.0

Foto: bjaglin CC BY 2.0

Realidade

guinness10

Tem que falar inglês?

Essa é a boa notícia! O tour pode ser feito mesmo por quem não fala nada do idioma. Nesse caso, a dica é pegar um audioguia em português (é português de Portugal mesmo, mas vale, né?) logo na entrada. O guia custa € 1 (R$ 3,50) e pode ser acionado de acordo com a parte da visita em que você estiver, fornecendo informações em áudio sobre aquele local específico.

Como chegar à Guinness Storehouse

Para chegar à Guinness Storehouse, a melhor maneira é indo de ônibus. Nesse caso, é possível pegar as linhas 123, 13, 40 (a duas quadras de distância apenas) ou 151, 27, 56a ou 77a (a umas seis quadras de caminhada). Usando o LUAS, você terá que pegar a linha vermelha e descer na estação Fatima, de onde a edifício é acessível após uma caminhada de 8 minutos (by Google! 😛 ).

guinness-destaque

Vale a pena? 

Confesso que, comparando com a visita que fizemos à fábrica da Pilsner Urquell, em Pilsen, a Guinness Storehouse é muito mais espetáculo, mas acaba sendo menos interessante, até pelo fato de o tour não ser guiado. O passeio também é bem mais caro, o que pode acabar dificultando para quem precisa economizar durante a viagem.

Depois de ter feito a visita, saí com a sensação de que não é o tipo de coisa “indispensável” para se fazer em uma primeira visita a Dublin. Mesmo assim, acho que vale a pena sim, ainda mais para quem adora cerveja (mas quem não adora também pode gostar bastante da experiência). 😉

Nota: os valores apresentados e a taxa de câmbio são referentes ao mês de novembro de 2016 e podem sofrer alterações a qualquer momento.


Planeje sua viagem

Os links abaixo pertencem a parceiros comerciais do blog e foram inseridos espontaneamente pela autora. Ao reservar serviços através destes links, você ajuda o Quase Nômade a se manter em funcionamento, recebe nossa gratidão eterna e não paga nada a mais por isso! ♥

✈️ Viaje com a KLM ou voe com a Latam

🏨 Reserve seu hotel com o Booking

🚗 Alugue um carro com a Rentcars

💉 Faça o seguro viagem obrigatório com a Seguros Promo ⇒ use o código NOMADE5 e ganhe 5% de desconto


⇒ Onde ficar em Dublin: veja as dicas de hospedagem dos blogueiros

⇒ Os melhores bares e pubs em Dublin para conhecer durante uma viagem

⇒ Como encerrar uma conta no Bank of Ireland estando no Brasil

⇒ Muito além das low costs: como economizar em passagens pela Europa

⇒ Seguro viagem internacional: é seguro viajar sem um?

Apaixonada por contar histórias, trabalha com conteúdo desde 2010. Depois de viver na Argentina, Irlanda e Romênia, percebeu que poderia carimbar o passaporte mais vezes caso trabalhasse remotamente. Hoje vive em Porto Alegre, onde nasceu, e não precisa mais pedir folga para viajar. Também trabalha como redatora para os sites Hypeness e Quanto Custa Viajar.

Deixe seu comentário <3

*

12 comments

  1. Paloma

    Que roteiro de qualidade e delicioso! Suas fotos são muito bonitas e post muito bem detalhado. Gosto muito do seu blog. Seguindo

  2. Menina, como assim permitem crianças no passeio?Hahahaha… que maneiro esse certificado no final. Certamente eu não receberia, pois sou um desastre! 😛

    • Dá para ver que o pessoal leva a bebida bem a sério por aqui, né? Mas, apesar de permitirem crianças, nós não vimos nenhuma por lá. hehehe. 😉

  3. Nossa, eu queria muito aprender a tirar minha própria Guiness! Melhor parte do post sao as fotos expectativa x realidade. Isso acontece tanto, ne? Adorei o post!

  4. Ri com a explicação com sotaque maneirado pra todo mundo entender rsrs. Como não sou de beber muito, acho que ia gostar mesmo é de ver as peças de publicidade. e que vista da cidade! Gostei do post!!

    • Até eu que gosto de (e produzo) cerveja gostei mais da área de publicidade, hehehe. 😀

  5. Uau, que experiência, hein? Morar quase um ano na Irlanda! Legal demais! E muito legal também o post.

  6. Adorei o post!!! Amo degustar cervejas e conhecer as fábricas. Fiquei com muita vontade de conhecer. Post tá muito bem escrito, adorei a comparação da expectativa com a realidade… 🙂
    Abraços,
    Renata

  7. Já fiquei imaginando o desastre que eu faria tirando a pint, mas em geral acho que passaria em uma primeira visita a Dublin.

  8. Demais, adoro estes passeios em cervejarias, espero ter a oportunidade de visitar Dublin um dia. Neste caso com certeza irei incluir este passeio no roteiro! 😉