Além de Chichén Itzá: 4 pirâmides no México que você precisa conhecer

Se estivesse na hora de listar nossos pecados de viajante, teríamos que confessar: passamos três meses no México e não visitamos Chichén Itzá. Para ser bem sincera, nem pensamos em visitar.

~PAUSA DRAMÁTICA~

Em compensação, visitamos outras quatro pirâmides no México que são tão incríveis que cumpriram muito bem o papel da prima famosa. E o melhor: muitas delas não tinham nem metade dos turistas que encontraríamos em Chichén Itzá – que, você deve saber, foi eleita uma das Novas Sete Maravilhas do Mundo. 🙂

Então, se você estiver disposto a nos acompanhar nessa rebeldia e deixar a pirâmide mais famosa do México de fora do seu roteiro, essa lista vai cair como uma luva.

Pirâmides no México que você precisa conhecer

Zona Arqueológica de Teotihuacan

Entre todas as pirâmides no México, as de Teotihuacan são as mais visitadas. A área está localizada a cerca de 45 quilômetros da Cidade do México e dá para chegar até lá de ônibus (é uma função, mas vale a pena, rsrsrs). Quem não tem pique para tanto, pode também reservar um tour até o local.

Essa foto de Teotihuacan marca o começo de uma série sobre o #México! Entre 2015 e 2016 nós passamos 3 meses viajando pelo país e nos apaixonamos por cada paisagem, cada comida, cada pessoa que encontramos. Sério, que povo receptivo, gente! ❤ . . Na época, o Quase Nômade ainda estava engatinhando e não tinha Instagram, então as fotos nunca vieram parar aqui… Que bom que sempre é tempo de reparar esse erro, né não? 😆 #visitmexico #mexicomagico #méxico #teotihuacan #sourbbv #missaoVT #landscapes #culture #history #MinhaFotoNaPanrotas #letsflyawaybr #queroferiasagora #viagemeturismo #vidanomade #bomdia #viagem #rbbviagem #instatravel #igersdizquefuiporai #wanderlust #bloggetoutside #viajanteexperiente #aosviajantes  #achadosdasemana #fantrip #essemundoenosso #viajarpelomundo #maiorviagem

A post shared by Quase Nômade (@quasenomade) on

Por que conhecer: Os historiadores acreditam que uma cidade tenha sido construída na área por volta do ano 100 antes da nossa era e chegou a ser a maior cidade da América pré-colombiana. Uma população de mais de 125 mil pessoas vivia ali! A civilização ficou na região até os séculos 7 ou 8, quando houve a decadência de Teotihuacan, por motivos ainda incertos. Com 83 quilômetros quadrados, a área é considerada como Patrimônio Mundial pela UNESCO desde 1987.

Pirâmides + praias, em Tulum

Tulum é aquela área arqueológica que você respeita muito. Além de ter as ruínas de uma civilização maia, tem também praia com águas cristalinas para se refrescar entre uma explicação e outra. É super fácil chegar até lá por conta própria saindo de Playa del Carmen, mas também rola contratar um passeio fechado até as pirâmides.

Por que conhecer: Era uma cidade costeira maia, com arquitetura bem diferente da que você irá encontrar na maior parte das zonas arqueológicas do México. Além disso, a cidade ainda era habitada quando os espanhóis chegaram por lá, sendo abandonada apenas no século 16.

Pirâmides de Monte Albán, em Oaxaca

Partindo da cidade de Oaxaca, é possível conhecer as incríveis ruínas da cidade de Monte Albán, que foi a capital dos zapotecas. Por ficar construída sobre um monte, ela permitia que seus moradores tivessem uma visão ótima da região. A área também é considerada pela UNESCO como Patrimônio Cultural da Humanidade. Nós fomos até lá de táxi mesmo (era a maneira mais barata), mas também há diversas opções de tours para as pirâmides.

Monte Albán - Oaxaca - piramides no mexico

Por que conhecer: Criada pelos zapotecas por volta do ano 500 antes da nossa era, ela ainda está incrivelmente conservada. Além de suas construções e de achados como um mural com representações de figuras humanas que ficou conhecido como “los danzantes”, a área tem uma vista maravilhosa da região. Em uma das partes do sítio arqueológico, é possível ver um campo de jogo de bola mesoamericano.

As incríveis ruínas de Cholula, em Puebla

É incrível que a grande pirâmide de Cholula não seja tão conhecida ou visitada. Isso porque ela é ~apenas~ a maior pirâmide do mundo em termos de volume – sim, ela é maior do que a pirâmide de Gizé, no Egito. Sacou a importância? Saindo de Puebla, é bem tranquilo chegar até lá de ônibus e você não vai gastar quase nada. Também existem alguns tours que levam você a Cholula partindo da Cidade do México e de Puebla.

Cholula - Ruínas e zonas arqueológicas no México

Por que conhecer: Fora o fato de ser a maior do mundo, é interessante conhecer uma pirâmide que começou a ser construída no ano 900 antes da nossa era. Até hoje não se sabe o porquê de a área ter sido abandonada, o que aconteceu por volta do século 8. Quando os espanhóis chegaram ali, a pirâmide estava coberta de plantas e árvores. Assim, eles acharam que se tratava de um morro e foram logo construindo coisas em cima. Entre elas, foi erguida a Igreja Nossa Senhora dos Remédios, que permanece até hoje na área e forma um irônico contraste com a história da região.

Nota: Este post pode conter links para parceiros do blog. Foto em destaque via


Planeje sua viagem

Os links abaixo pertencem a parceiros comerciais do blog e foram inseridos espontaneamente pela autora. Ao reservar serviços através destes links, você ajuda o Quase Nômade a se manter em funcionamento, recebe nossa gratidão eterna e não paga nada a mais por isso! ♥

✈️ Voe com a Latam

🏨 Reserve seu hotel com o Booking

🚗 Alugue um carro com a Rentcars

💉 Faça o seguro viagem com a Seguros Promo ⇒ use o código NOMADE5 e ganhe 5% de desconto


⇒ Roteiro de viagem para o México completo e com estimativa de gastos

⇒ Esqueça o burrito: a comida mexicana que conhecemos nas ruas

⇒ Como visitar as pirâmides de Teotihuacan por conta própria

⇒ Visitando Tulum: praia, ruínas e muita natureza

⇒ As pirâmides de Cholula e o que fazer nos arredores da cidade

⇒ Como visitar a zona arqueológica de Monte Albán por conta própria

⇒ Coisas que todo viajante deveria saber antes de ir para o México

Apaixonada por contar histórias, trabalha com conteúdo desde 2010. Depois de passar quase três anos morando no exterior, percebeu que poderia carimbar o passaporte mais vezes caso trabalhasse remotamente. Hoje vive em Porto Alegre, onde nasceu, e não precisa mais pedir folga para viajar. Também escreve para os sites Hypeness e Quanto Custa Viajar.

Deixe seu comentário <3

*