As pirâmides de Cholula e o que fazer nos arredores da cidade

Por que você deveria conhecer Cholula? Simplesmente porque lá você encontra a Grande Pirâmide de Cholula, sendo a pirâmide com maior base do mundo, com 400 metros de lado, e também a maior em volume, com 4,5 milhões de metros cúbicos. Dito isso, fica fácil imaginar que a primeira parada por lá deveria ser conhecer as Pirâmides de Cholula – que não são exatamente pirâmides, mas já foram…

Hoje, o local é uma zona arqueológica em que se escavaram os resquícios de pirâmides de uma antiga civilização mesoamericana. Algumas construções datam do século I, embora a zona tenha indícios de ocupação desde o século XII a.C, para se ter uma ideia.

Pirâmides de Cholula - Puebla - México

∴ Reserve hotéis em Cholula com o Booking ∴

Como chegar a Cholula

O Pueblo Mágico de Cholula fica a apenas 9 km de Puebla – dá para ir de ônibus convencional, que custa apenas 6 pesos (ou R$ 1,50). Saindo da maioria dos lugares da cidade, será preciso pegar dois ônibus normais, mas mesmo assim o passeio sai super em conta.

Também é possível fazer um tour às pirâmides de Cholula com saída da Cidade do México, já que as duas cidades são relativamente próximas. Outra alternativa é alugar um carro saindo de Puebla (30 minutos de distância) ou da Cidade do México (2 horas de viagem) e ir dirigindo até a cidade. Nesse caso, não se esqueça de que o trânsito mexicano é bem louco e engarrafamentos são frequentes em diversas cidades. 🚗

Como conhecer as Pirâmides de Cholula

Em primeiro lugar, é possível caminhar na parte externa à área arqueológica, o que é grátis. \o/

Bem em cima da área foi construída uma igreja, antes mesmo que se soubesse que havia pirâmides ali – elas estavam cobertas por terra e grama, graças ao passar do tempo. É interessante visitar o local, que exige uma subida de escada um pouquinho cansativa. [sedentarismo detected]

Igreja de Cholula - Puebla - México

De fora, também dá para ver as escavações por cima, o que por si só já é um baita passeio. Pelo que vimos, era possível contratar um guia para esse trajeto por 55 pesos mexicanos por pessoa (cerca de R$ 14), o que é uma pechincha. Mesmo assim, bancamos os mãos de vaca e preferimos fazer o passeio por conta própria. 😛

Na parte externa à zona arqueológica, se encontram ambulantes vendendo todos os tipos de petiscos por um valor de 10 pesos o punhado (cerca de R$ 2,50). Diego aproveitou para provar uma especiaria local: chapulines (sim, é daí que vem o nome do Chapolim Colorado). O chapulim é um gafanhoto que se come como petisco por aqui. Apesar de ser bem estranho, os outros petiscos eram mais normais, como amendoins, balas de goma e salgadinhos, o que ajuda a enganar a fome durante o trajeto.

Chapulines em Cholula - Puebla - México

Depois da inusitada experiência gastronômica, fomos visitar a zona arqueológica em si. Para entrar nela, é preciso pagar um ingresso de 52 pesos mexicanos (R$ 13). Para contratar um guia, é cobrado um adicional de 200 pesos mexicanos por grupo (cerca de R$ 50).

Se você tiver claustrofobia ou outro medo de lugares fechados, pode não ser o lugar ideal para estar… Tivemos que caminhar uns 15 minutos por um túnel fechado e bem estreito até chegar à entrada. Eu morro de medo de lugares assim, mas superei para ver as pirâmides de Cholula – e , apesar de quase ter um ataque cardíaco no caminho, confesso que faria tudo de novo.

Pirâmides de Cholula - Puebla - México

Vista das Pirâmides de Cholula - Puebla - México

Minha dica preciosa para quem vai às pirâmides é passar muito protetor solar (do fator mais alto que tiver) e levar uma garrafinha de água. Faz muito calor por lá mesmo no inverno.

Saindo da zona arqueológica

Depois de terminar o passeio pelas pirâmides, fizemos uma visita à feira que há em frente a elas para conferir um pouco do artesanato local. Foi a hora de experimentar outra “delícia” inusitada: a jicaleta. Se trata de uma fruta chamada jicama (eu achei o gosto parecido com o do melão, mas menos doce), envolta em tajín (pimenta) e que se come no palito como se fosse um pirulito. Por mais que a descrição seja horrível, o gosto até que é bonzinho. Mesmo assim, achei meio picante demais para um doce e acabei nem terminando o meu.

Jicaleta em Cholula - Puebla - México

Voladores de Papantla

Para terminar o passeio, aproveitamos para ver o espetáculo dos “voladores de Papantla“. O ritual é originário do estado de Veracruz, na cidade de Papantla e o site México Desconocido explica que a tradição é originária dos povos pré-hispânicos, embora não exista uma estimativa da data em que o ritual surgiu.

O que se sabe é a lenda que dá origem a ele: uma forte seca havia acometido a zona que compreende o território que hoje dá lugar aos estados de Veracruz e Puebla. Na época, os sábios do povo pediram que jovens castos encontrassem a árvore mais alta e reta do monte para utilizá-la em um ritual com música e dança, pedindo aos deuses por chuvas. O ritual foi realizado na parte superior do tronco para que as orações fossem facilmente escutadas pelos deuses. Ao que parece, a ideia deu tão certo que o ritual continua sendo realizado até os dias de hoje em diversas cidades mexicanas – e, entre elas, Cholula.

Atualmente, os voladores se apresentam todos os dias na praça em frente às pirâmides, a cada 20 minutos, até as 18h. O espetáculo é poesia pura e vale muuuito a pena esperar até que a apresentação comece. Vem ver:

A apresentação pode ser vista por qualquer pessoa que esteja no local e é gratuita, mas a gente recomenda dar uma gorjeta para eles. Quando estávamos assistindo, uma menina do grupo passou o chapéu em busca de contribuições – que são mais do que merecidas.

Noite em Cholula

O fim do dia foi na Licorería San Pedrito, perto da zona arqueológica, onde é possível provar uma grande variedade de opções de Mezcal, bebida típica do México. O lugar é super lindinho e rola uma boa agitação por lá – no dia em que fomos, o espaço começou a encher por volta das 21h.

Mesmo assim, existe um zilhão de opções de bares por lá, então é possível encontrar praticamente todo o tipo de opção. Como Cholula é uma cidade universitária e acaba sendo o destino de muitos poblanos à noite, vale estender o passeio na cidade e pegar um táxi na volta – o que pegamos custou 150 pesos  (cerca de R$ 40) até nossa casa em Puebla – ou passar a noite em um hotel em Cholula.

∴ Veja aqui todos os posts de nossa viagem ao México ∴

Bar em Cholula - Puebla - México

Nota: os valores apresentados e a conversão mostrada são referentes ao mês de janeiro de 2016 e podem sofrer alterações a qualquer momento. 


Planeje sua viagem

Os links abaixo pertencem a parceiros comerciais do blog e foram inseridos espontaneamente pela autora. Ao reservar serviços através destes links, você ajuda o Quase Nômade a se manter em funcionamento, recebe nossa gratidão eterna e não paga nada a mais por isso! ♥

✈️ Viaje com a Latam

🏨 Reserve seu hotel com o Booking

🚗 Alugue um carro com a Rentcars

💉 Faça o seguro viagem com a Seguros Promo ⇒ use o código NOMADE5 e ganhe 5% de desconto


⇒ Viajando pelo México: o que fazer em Puebla?

⇒ Roteiro de viagem pelo México com estimativa de gastos

⇒ Seguro viagem internacional: é seguro viajar sem um?

⇒ Viajando pelo México: qual meio de transporte escolher para cada trajeto

⇒ Como visitar as pirâmides de Teotihuacan por conta própria

Apaixonada por contar histórias, trabalha com conteúdo desde 2010. Depois de passar quase três anos morando no exterior, percebeu que poderia carimbar o passaporte mais vezes caso trabalhasse remotamente. Hoje vive em Porto Alegre, onde nasceu, e não precisa mais pedir folga para viajar. Também escreve para os sites Hypeness e Quanto Custa Viajar.

Deixe seu comentário <3

*

2 comments

  1. Pingback: Viajando pelo México: o que fazer em Puebla? – Quase Nômade

  2. Pingback: Visitando Tulum: praia, ruínas e muita natureza – Quase Nômade